Carga Tributária De Postos De Combustível

Como funciona a carga tributária de postos de combustível?

Um dos negócios que mais vemos abrir são os postos de combustível. A quantidade de veículos na rua aumenta a cada dia, então, ter um bom posto pode realmente atrair um grande público para a sua cidade. Mas, você sabe como funciona a cobrança da carga tributária de postos de combustível? Essa carga tributária é diferente das de comuns negócios que vemos por aí.

Se você tem interesse em abrir um posto de combustível, ou quer se tornar sócio de um negócio desse tipo, mas tem dúvida de como gerenciar a parte contábil, fiscal, e o que diz respeito a tributos, é importante ter clareza sobre a carga tributária de postos de combustível, para que você não tenha problemas legais logo no começo da gestão desse negócio.

Entenda como funciona a carga tributária de postos de combustível

Diferentes negócios possuem os mais variados tipos de tributos. Então é compreensível que a carga tributária de postos de combustível seja um pouco peculiar, pois esse é um negócio bem diferente de outros nichos. Sua gestão é, então um pouco diferente, e demanda a necessidade de uma contabilidade especializada para que seu negócio não tenha problemas com o pagamento de suas taxas.

Hoje explicaremos como é feito o cálculo da carga tributária de postos de combustível e  você entenderá o valor de uma boa contabilidade, que irá garantir que você não tenha multas por falta de pagamento, ou mesmo pague em excesso os seus tributos.

Tipos de produtos em postos de combustível e seus variados tributos

É importante, antes de tudo, entender que postos de combustível no Brasil tem autorização para 5 tipos de produto diferentes. Esses produtos são o etanol ou álcool, a gasolina e suas derivadas, e dos tipos de diesel, o Diesel S10 e o Diesel S500. Todos esses produtos têm seus preços estabelecidos por 5 fatores, dois deles sendo sobre taxas tributárias.

Os fatores que determinam o preço são:

  • Produção do produto;
  • As tributações federais: COFINS, CIDE e PIS/PASED;
  • Custo do etanol anidro;
  • Tributação estadual, o ICMS;
  • Revenda e distribuição;

Mesmo se baseando nos mesmos fatores para a precificação, todos os produtos ficam com preços diferentes. Isso ocorre não somente pela diferença do custo de produção, distribuição e revenda, mas também porque cada tipo de combustível possui diferentes incidências de taxas tributárias.

Temos então, como exemplo, que o etanol, antigamente chamado de álcool, é isento da taxa chamada de CIDE, que é a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico. Ou seja, por essa isenção de incidência, o álcool acaba saindo por um preço mais barato que as demais categorias de combustível em um posto.

Já as diversas gasolinas, e os dois tipos de diesel disponíveis em postos, possuem a incidência das taxas ICMS, que é o imposto sobre circulação de mercadorias e serviços, e o PIS/COFINS, Programa de Integração Social, Contribuição para financiamento da seguridade social. Justamente por isso, esses combustíveis também possuem um valor um pouco mais elevado para abastecerem os veículos.

Para contribuir com os preços, muitas vezes considerados altos pelos brasileiros, ainda existe a margem de lucro do posto de combustíveis. Portanto, antes de começar seu negócio, é interessante consultar uma contabilidade para postos de combustível para garantir que seus preços sejam condizentes com o que você paga de impostos e com a realidade do seu posto e dos seus consumidores.

Em caso de dúvidas, entre em contato com a Ápice! Nós podemos te ajudar com a contabilidade para seu posto.

Sucesso e até breve.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *